Qual é, afinal, o papel de uma Agência de Marketing Digital?

Será que se resume à construção de anúncios para divulgação de serviços ou produtos? Talvez você mesmo possa fazê-los, certo? E no ambiente digital online, você daria conta?

Suponhamos que você deseje vender algum produto de sua empresa, e reconheça que anunciar nas mídias tradicionais não traria os mesmos resultados que no passado. Além disso, você sabe que a concorrência cresce exponencialmente pelo fato de optar por tratar de negócios, incluindo o marketing, no modo digital e na versão online.

O conceito, fundamentalmente, é o mesmo. Combinamos as linguagens verbal e visual para uma peça publicitária ou Meio, somando a expertise necessária diante das novas tecnologias e plataformas de exibição, que só uma agência de marketing digital pode fornecer.

Vamos inicialmente tratar dos anúncios para uma campanha de PPC (Campanha? Mas não é só um anúncio?), ou melhor, dos famosos links patrocinados. Citamos como exemplo os que são distribuídos pela empresa Google, através do seu serviço de gerenciamento de anúncios publicitários AdWords. Essa ferramenta poderosa combina uma infinidade de parâmetros, e somente um especialista poderá aproveitar o que há de melhor em seus recursos e oferecer resultados realmente compensatórios e relevantes considerando a melhor relação custo x benefício.

Lembra do destaque à palavra “campanha” no parágrafo acima? Pois é! Reitera a certeza de que somente um profissional qualificado pode construir algo que sustente a acepção da palavra. Para você ter uma ideia, o Google oferece por meio de seu programa de certificação Google Partners, destinado a agências de publicidade, profissionais de marketing digital e outros consultores online que gerenciam contas, uma bateria de provas segmentadas por especificidade que, somadas, geram 662 questões com prazo médio de validade de 1 ano para cada certificação, deixando claro o quanto é dinâmico e acelerado tal cenário digital. Este mesmo cenário contraria a política de popularização de anúncios patrocinados (“Faça você mesmo, de maneira fácil e simples”), através de sua versão mais enxuta, o Adwords Express, que se destina ao público leigo.

É claro que você pode perguntar: o papel de uma pessoa comum, que quer vender seu produto ou serviço, é o mesmo de uma agência de marketing digital (de uma empresa especializada em estabelecer a relação entre o produto e o consumidor no ambiente digital)?

Deixarei aqui minha opinião pessoal sobre o assunto, considerando os fatos explicitados acima: os resultados são pífios para quem se aventura desta maneira. Além do mais, pode criar uma resistência difícil de transpor, no que se refere à realização de um novo investimento, mesmo que por meio de um agenciador qualificado. Há a tendência a não desejar experimentar, haja vista os resultados obtidos por conta própria. E isso é uma pena, pois posso garantir que, num prazo relativamente curto, os resultados são extraordinários quando a campanha é feita por quem sabe.

Um outro aspecto negativo do “faça você mesmo”: para os consumidores do serviço, os custos dos cliques se tornam inflacionados, trazendo benesses somente ao faturamento do poderoso Google. Estou me referindo ao pequeno investidor e suas modestas metas. Porém, se somados, todos os pequenos investidores formam uma enorme fatia do seu faturamento.

Nós, da Mocape, Agência de Marketing Digital, não acumulamos funções. Nossa parte, em todo o processo da venda, é a criação: criação de sites rj, otimização de sites rj – SEO – e inbound marketing. Criamos os anúncios, pensamos as estratégias, avaliamos as métricas e acionamos os recursos para atração do público consumidor. Não nos responsabilizamos por entregas de produtos e não travamos nenhum contato direto com vossos consumidores. Essas etapas são desenvolvidas por outras empresas e agentes (distribuidores, pontos de venda físicos e online, revendedores e outros).

SÓ QUERER VENDER NÃO BASTA!

Vamos nos concentrar na criação do meio para que uma venda possa ser efetivada. Não precisa ser necessariamente um item físico. Pode ser uma ideia, uma notícia ou, até mesmo, um sonho. Estamos falando da criação de um website otimizado e munido por audiência de todos os lados. Links patrocinados, melhores técnicas em SEO para uma alta performance orgânica junto aos motores de busca, estratégias de inbound marketing, newsletter, segurança e e-mail marketing. O meio deverá levar em conta critérios racionais (o preço do produto, por exemplo) e critérios ligados à psicologia do desejo e do impulso, além de uma estética adequada e com identidade que incite o lado menos “prático” do consumidor (comprar um produto por ter gostado de um anúncio). O objetivo será observar como alguns recursos de linguagem verbal, visual e, até mesmo, sonora, em determinados casos, são mobilizados na construção desse meio.

Na construção dos meios, os recursos das linguagens, por exemplo, são manipulados de tal maneira que o público, muitas vezes, não se dá conta de que um mundo imaginário, interessante e sedutor se formou diante de seus olhos. Despertam no interlocutor uma suficiente aproximação, transmitindo confiança e associando à satisfação de um desejo.

Quer dizer, o MEIO, no marketing digital, ligará o produto à satisfação, criando um mundo “desejado” e dissociado, o máximo possível, de interferências de qualquer natureza. Ele nos afastará, de forma ainda mais brutal, de uma questão importante: até que ponto devemos investir ou gastar recursos adquirindo esse produto ou aquele serviço?

Para uma agência de marketing digital não existe nada supérfluo. Boa parte dos produtos e serviços propagados são realmente supérfluos para a maioria das pessoas, pois vivem muito bem sem eles. Outros são extremamente necessários, ainda que apresentados em seu aspecto mais irrelevante.

Por exemplo: o nicho de higiene bucal. Seus produtos são consumidos por todo o planeta. Cientificamente, seus benefícios são inquestionáveis e são tidos como indispensáveis por todos. Mas nenhum anúncio publicitário vai vender escovas e cremes dentais dizendo que esses produtos nos mantêm saudáveis e ponto final. Todos nós já sabemos disso, certo? Isso ocorre porque, como os produtos são comercializados por diferentes empresas, a distinção entre um produto e outro acabará se concentrando em algum aspecto supérfluo deles.

Afinal, o essencial todos têm.

MOCAPE. Redobrando o Marketing Digital no Rio de Janeiro.

 

Leave a Reply